18 de novembro de 2015

Enquanto o sono não vem

O que me angustia é pensar na possibilidade de não nos vermos nunca mais.

Eu não acredito em espíritos, não preciso me preocupar com eles.

Isso foi tiro?! Ao menos aqui dentro estou protegida.

E se um bandido entrasse aqui em casa? Onde eu poderia me esconder?

Será que eu vou dar conta do doutorado até o fim? Caraca, são quatro anos! O quanto a minha vida terá mudado nesse tempo?

Tem dias que tudo o que preciso é deitar no seu peito enquanto você acaricia a minha cabeça.

Sinto a sua falta. Tenho estado muito sozinha e percebo o quanto você faz falta, mesmo que distante.


Preciso dormir. Eu não posso ter outra noite de insônia. Hoje eu já passei mal pela manhã por conta do cansaço. 

Preciso pensar mais em mim. O tempo todo. Só em mim. 

Nenhum comentário: