20 de agosto de 2012

Que seja vontade


Vontade de descobrir seu corpo. O que nunca tive. Te beijar todo pela primeira vez.

Vontade de afagar seus cabelos sem vergonha de olhar em seus olhos e deixar claro o que sinto.

Vontade de estar ao seu lado, mesmo com a distância.

Vontade de matar essa saudade que me mata, beber um vinho com você e adormecer mole ao seu lado.

Vontade de estar com você por horas intermináveis, sem pressa de voltar e sem vontade também.

Vontade que essa vontade não passe e que não seja só vontade.

15 de agosto de 2012

[sem título]


Também tenho desejo e tesão. E também preciso me aliviar às vezes. E isso não é raro, é quase que frequente. Mas não me desespero saindo à caça de qualquer perdido na noite. Costumo procurar pelos repetidos e que já me deram garantia de serem bons no que quero naquele momento. No entanto, acho que estou fazendo errado. Eu deveria deixar minha caretice de lado e dar corda pros desconhecidos totais. E não me preocupar com o depois e com o que vão pensar. Não me conhecem mesmo. Por que os tais conhecidos têm a mania de achar que o tesão aliviado deve ser o deles. No tempo deles. E não no nosso tempo, juntos. Tanto desencontro quando poderia dar certo.

E é aí que eu perco o interesse.